Enviando sua mensagem...

Arquivo anexado

Economia

Importância da rotação de culturas

Compartilhe:

No Rio Grande do Sul

O sistema de rotação de culturas não é uma tecnologia recente. Ela data o tempo do antigo Egito, sendo utilizada  também por romanos e gregos na antiguidade. Trata-se de uma prática de manejo do cultivo, que visa manter o equilíbrio do solo em termos físicos, químicos e biológicos, por meio do plantio de diferentes espécies vegetais em uma mesma área. 


Para os agricultores em geral, ela representa uma poderosa ferramenta, já que evita a repetição do plantio de soja após soja, por exemplo,  melhorando as condições agronômicas, aumentando, assim, a produtividade da lavoura. Segundo dados da Embrapa, a rotação de cultura pode garantir um aumento de 10% na produtividade.


Por que fazer rotação de culturas?

Apesar da rotação de culturas oferecer grandes vantagens para o agricultor, existe uma parcela de produtores que ainda têm certa resistência sobre ela, principalmente por razões econômicas. É comum que produtores selecionem a espécie de cultivo com base somente nos ganhos comerciais, e não nos cuidados necessários ao solo e à sustentabilidade.


Atividades repetitivas, próprias da monocultura, podem causar danos à cultura, obrigando o agricultor a intensificar seus esforços e investimentos para a manutenção do solo. Por outro lado, a prática de manejo adequado do solo só traz grandes benefícios à atividade agrícola em longo prazo. Assim, é necessário planejamento antes de tudo.


A rotação de culturas, além de promover a diversificação no cultivo de espécies vegetais - o que renova o solo e recicla as propriedades nutritivas - oferece uma proteção natural contra o desenvolvimento de pragas e doenças, como fungos e insetos, pois muitas espécies que atacam o milho, por exemplo, não atingem a soja. Assim, ao substituir uma cultura pela outra, a praga perde sua fonte de alimento.


Sucessão de culturas x rotação de culturas

Antes de falar sobre a sucessão e rotação de culturas, é bom lembrar que ambas as práticas não trazem resultados imediatos, portanto, ter uma visão preventiva é fundamental. Buscar essa alternativa somente quando houver um problema já presente na lavoura pode ser um erro grave e oneroso ao produtor.


Dito isso, fica a observação: nem toda sucessão é uma rotação de culturas, mas a rotação é sempre uma disposição de culturas em sucessão.


A sucessão de culturas se refere à sequência de alternância de espécies em uma mesma área. Assim, ela segue a mesma ideia de alternância proposta pela rotação. 


O planejamento da escolha das espécies vegetais na sucessão de cultura leva em consideração diferentes fatores, como: a associação de plantas comerciais com espécies 

que geram grande quantidade de biomassa e apresentam um rápido desenvolvimento (gramíneas, plantas forrageiras e as leguminosas, semi perenes/anuais); o uso de tecnologias de controle de erosão, adubação, tratamento de sementes e controle de pragas/ doenças/daninhas; e a preferência por plantas com raízes profundas e de grande volume, que contribuam com a fixação do nitrogênio no solo, entre outros.


Veja alguns exemplos de seleção de espécies em rotação de acordo com o objetivo:


- para a produção de palha: aveia preta > milheto > soja


- produtividade do milho e contribuição para a estrutura do solo: soja > girassol safrinha > milho


- descompactação do solo e controle de daninhas: nabo forrageiro > milheto na primavera > soja


Aumentar a produtividade sempre é um desafio para os agricultores: enquanto alguns investem em tecnologia, outros aproveitam a área e as plantações que têm para fazer um manejo de solo eficaz. Neste sentido, as práticas e técnicas relativas à rotação de culturas podem contribuir com o agronegócio brasileiro ao torná-lo mais produtivo e sustentável. 


Agrofel

Há mais de 43 anos no Rio Grande do Sul ao lado do agricultor do plantio a colheita com soluções integradas para a busca de altas produtividades.

Atendimento

Central de Atendimento

Fone: 55 51 3326-5000
Atendimento de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h.
Matriz: Avenida Bagé, 1430 | Bairro Petrópolis | Porto Alegre | RS | CEP: 90460-080

Associados

Canais de Denúncias