Enviando sua mensagem...

Arquivo anexado

Economia

Cultura do milho

Compartilhe:

Passo a passo para um bom planejamento do plantio

A cultura do milho é a segunda mais plantada no Brasil e a 3ª maior no mundo - com aumentos de produtividade consideráveis nas últimas safras. Além da grande resistência a adversidades climáticas, a preferência por este tipo de cultivo vem da demanda de mercado: só no Brasil, 65% do milho é utilizado na alimentação animal, e 11% é consumido pela indústria para diversos fins. 


Tendo em vista que final de agosto/início de setembro começa o período de plantio de milho aqui na região Sul, é fundamental que o agricultor esteja pronto para o dia D (o dia do plantio) e para um novo ciclo que terá duração de cerca de 120 dias. Afinal, cerca de 70% dos investimentos feitos em uma lavoura de milho são usados na fase de implantação. Pensando nisso,  deixamos algumas dicas práticas para o bom planejamento da próxima safra. 

Por onde começar?
O principal objetivo do planejamento rural é estabelecer um cronograma de atividades para que o produtor possa realizar o plantio de forma eficiente e segura.

O primeiro passo é analisar todos os componentes de produção para identificar o valor do investimento a ser feito, além de projetar onde e como a semeadura deve ser realizada.

De acordo com a Embrapa, deve-se considerar seguintes fatores:

- manejo (solo, pragas, doenças, plantas daninhas, irrigação);
- tipos de técnicas a serem adotadas;
- insumos;
- máquinas e implementos;
- híbridos a serem escolhidos;
- distribuição dos híbridos nos tipos de solos a serem explorados;
- ambiente de produção;
- épocas de plantio;
- elaboração do cronograma físico-financeiro;
- serviços em geral.

Após esse levantamento, chega a hora do passo 2.

Escolhendo o híbrido (semente) a ser plantado
A escolha da semente para o plantio merece toda a atenção, pois se trata do insumo mais importante da lavoura. Deve-se procurar por sementes com alto vigor  (capacidade de germinação e estabelecimento rápido no campo), que sejam certificadas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e credenciadas no RESASEN.

De maneira geral, existe uma série de fatores que influenciam na escolha do híbrido, como: disponibilidade hídrica, fertilidade do solo, ciclo da cultivar, época de semeadura e espaçamento entre linhas.

É indispensável atentar para as características dos materiais de acordo com sua região de cultivo, principalmente no que diz respeito ao potencial produtivo, estabilidade, resistência a doenças, adequação ao sistema de produção em uso e às condições de clima e solo.

Após escolher a semente ideal para a sua região, é hora determinar o estande de acordo com condições da área de cultivo.

A importância do estande
O estande é definido pelo número de plantas por unidade de área e desempenha um papel importante no rendimento de uma lavoura de milho. De acordo com a Ageitec, para maximizar o rendimento de grãos de milho, o estande ideal varia de 30.000 a 90.000 plantas por hectare.

Mais uma vez, existem alguns fatores influenciam na densidade apropriada para as plantas, como o híbrido de milho, disponibilidade hídrica e nível de fertilidade do solo. Levá-los em consideração na hora do plantio é determinante na  produção do milho, pois é a densidade de plantas que determinará o número de espigas por área.

Mas atenção: nem sempre a alta densidade de plantas significa alta produtividade. Às vezes, densidades muito altas podem fazer as plantas de milho competirem entre si, afetando a produção.

Arquitetura da planta: ereto, semi-ereto, aberto ou semi-aberto.
A arquitetura interfere diretamente na qualidade e quantidade da luz que penetra nas folhas e, conseqüentemente, na resposta à densidade de plantas.

Por isso, sementes com menor número de folhas, folhas mais eretas e menor área foliar podem ser semeadas com menor espaçamento, pois minimizam a competição entre plantas. Por outro lado, plantas com folhas mais abertas crescem melhor em espaçamentos maiores.

Dica: o ambiente também influencia no híbrido e sua arquitetura. Assim, híbridos de arquitetura ereta, com altas densidades populacionais não são indicados para solos pobres, com problemas de drenagem ou condições de falta de água no geral.

Definindo o espaçamento (entre linhas X entre plantas)
Apesar de os espaçamentos entre 45cm e 50cm serem os mais utilizados, por proporcionarem melhores condições para o desenvolvimento do milho, muitos produtores usam espaçamento de 75 centímetros.

De maneira geral, a utilização de espaçamentos mais estreitos, pode acarretar em uma maior interceptação de luz solar, melhor aproveitamento dos recursos disponíveis e melhor controle de plantas daninhas, mas cada híbrido de milho possui uma recomendação de espaçamento adequada adequada. Assim, o produtor, conhecendo as condições de sua área de plantio, deve escolher qual híbrido e espaçamento melhor se adaptam na sua lavoura.

Último passo: estimando a produtividade da cultura do milho
A estimativa de produtividade permite que o produtor tenha uma ideia de qual será o rendimento a nível de campo, dando a ele a oportunidade de se organizar com investimentos futuros, transporte, armazenagem e possíveis ações da lavoura que ainda será colhida.

O método para estimar produtividade de milho é relativamente simples e objetivo:

1. Colete algumas espigas da área desejada;

2. Calcule o peso médio de grãos de cada uma delas;

3. Saiba a população de plantas da área;

4. Multiplique o peso médio de grãos de cada espiga pelo número total de plantas encontradas no talhão. 

Exemplo: 
peso médio de grãos por espiga selecionada = 178 gramas
população da área = 65.000 plantas/ha
cálculo: 0,178 x 65.000 = 11.570 kg/ha

Atenção: quanto maior for o número de espigas coletadas e avaliadas, menor será a margem de erro do cálculo na colheita real.

É fundamental que o produtor escolha o insumo de acordo com suas condições regionais e tecnológicas, pois cada cultivo difere entre lavouras. Assim, o ideal é que você, produtor conheça a situação real da sua propriedade e mensure o arranjo de plantas de acordo suas condições de implantação de cultura e finalidade. 


Agrofel

Há mais de 43 anos no Rio Grande do Sul ao lado do agricultor do plantio a colheita com soluções integradas para a busca de altas produtividades.

Atendimento

Central de Atendimento

Fone: 55 51 3326-5000
Atendimento de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h.
Matriz: Avenida Bagé, 1430 | Bairro Petrópolis | Porto Alegre | RS | CEP: 90460-080

Associados

Canais de Denúncias